Ilha da Madeira – Portugal

E para comemorar os nossos 5 anos de namoro decidimos ir conhecer a Ilha da Madeira em Portugal – continente europeu apesar de ficar mais perto da África. O vôo saindo de Lisboa levou 1h30 e foi bem tranquilo – fomos com a Ryanair e foi €145 nós 3 ida e volta (sem bagagens).

DIA 1:
Chegamos lá e o transfer (€25) veio nos buscar pois tínhamos que ir até Câmara de Lobos pegar o Motorhome. Sim, alugamos um motorhome por 3 dias para explorar a ilha e foi a melhor escolha pois assim como em outras ilhas que alugamos como Nova Zelândia e Havaí fica mais fácil e prático dar a volta e conhecer os lugares.

Escolhemos a Motorhome Madeira pois estava com o melhor custo benefício (€362 – 4 noites e 3 dias) e recomendo eles pois o motorhome era bem legal, tinham todos os itens necessários e além disso os proprietários Anouk e Telmo são super simpáticos.

Primeira parada depois de 10 minutinhos foi no supermercado em Ribeira Brava para comprar comida (€45). Sempre escolhemos coisas simples, fáceis e versáteis como macarrão com carne moída porque dá para usar a carne moída também para o hambúrguer, macarrão com salsicha e cachorro quente e por aí vai – além lógico de snacks para a estrada e umas cervejinhas (ou ciders para mim).

Fomos dirigindo sentido Ponta do Sol e tinha marcado para irmos na Cachoeira dos Anjos pois achei interessante já que ela deságua em cima da estrada mas não teve como parar, estava lotada de gente e é difícil tem aonde estacionar – e no fim não achei nada de mais hehe. Paramos então na Praia da Ponta do Sol – de pedras e nada de areia e seguimos até uma ponte antiga super bonita que fica cerca de 3 minutos de carro dali.

Fizemos uma breve parada em Madalena do Mar para caminhar entre as bananeiras antes de seguir por cerca de meia hora até Paúl do Mar. A estrada é super linda com vistas de tirar o fôlego e que dá vontade de fotografar a cada minuto – cada túnel e uma estrutura incrível! Chegando lá, fomos direto para a Cascata de Paúl do Mar, uma cachoeira enorme que deságua na praia e estava cheia de patos rs. Como já eram umas 19h decidi não entrar porque não conseguia ver muito bem e não tinha ninguém lá. Tirei uma foto e fomos achar um lugar para dormir. Na subida de volta paramos no Miradouro do Paúl do Mar e decidimos seguir mais uns 20 minutos em frente e dormir na Ponta do Pargo, mais especificamente no Farol da Ponta do Pargo. Excelente escolha! Nunca vi uma cor de mar tão linda, fiquei apaixonada e tirei muitas fotos hehehe. Vimos o pôr do sol enquanto o Vini preparava um cachorro quente para nós.

Mirante Paúl do Mar
Olha a cor desse mar

DIA 2:
Acordamos cedo, café da manhã e de volta para a estrada. Fizemos uma breve parada no Miradouro da Santinha (um dos diversoooooooos mirantes que tem por todo o percurso e em qualquer lugar da ilha) e dirigimos por mais uns 40 minutos até as Piscinas Naturais de Porto Moniz. Um dos lugares mais lindos que já vi na vida! Lá tem dois “conjuntos” de piscinas naturais: a nova (Piscinas Naturais de Porto Moniz) que possui banheiros, ducha, restaurante, salva vidas, tem parte pavimentada e custa €3 por pessoa e a velha (Piscinas Naturais Velhas) que é mais simples, não paga para utilizar e é tão linda quanto. Para ficar com crianças eu recomendo a primeira opção principalmente por conta do espaço físico. Foi maravilhoso, passamos a manhã todinha lá e aproveitamos muito. As piscinas tem borda infinita e fazem mesmo margem com o mar, dá até um medinho ficar ali na ponta olhando as ondas baterem. Eu amei!!!!

Miradouro da Santinha
Piscinas Naturais de Porto Moniz
Piscinas Naturais Velhas

Como o dia estava ótimo, virou o dia de praia e fomos até Seixal que fica uns 10 minutos de lá e passamos a tarde entre a Piscina Natural Pública, a Praia de Seixal com sua areia preta vulcânica e sua cachoeira e o Cais de Seixal. Um lugar super agradável que recomendo para dormir também. Fizemos nosso almoço e descansamos. O mar de longe não parece super clarinho por conta da cor da areia mas uma vez que se entra, ele é cristalino e muito menos gelado do que as praias do continente em Portugal – uma média de 20 graus de temperatura. Lá perto tem também as Piscinas Naturais de Seixal que falam que é linda mas eu já estava bem contente com as que fomos em Porto Moniz.

Já no fim do dia paramos um pouco no Miradouro do Véu da Noiva – uma cachoeira maravilhosa que deságua no mar – e que mar!!! Ficamos realmente impressionados. Depois paramos também no Miradouro da Beira da Quinta a caminho das Ruínas de São Jorge que levou cerca de 50 minutos. O lugar tem um restaurante que hoje está fechado e tudo ali parece meio abandonado. Achei bonito mas nada de mais. Próximo dali tem Santana que é famosa pelas casinhas típicas mas decidimos subir até o Pico do Arieiro (1 hora de distância) ao invés de seguir em frente.

Miradouro do Véu da Noiva
Cachoeira e mar
Maravilhoso!
Miradouro da Beira da Quinta

A estrada é bem sinuosa e muito bonita, chegamos assim que o sol se pôs e o céu estava muito colorido. Fomos até o estacionamento do pico porém ele é bem íngrime e não dava para dormir, paramos numa entradinha do lado e estava bem frio e um ventoooooo. A noite o céu ficou super estrelado.

DIA 3:
Levantamos cedo para ver o sol nascer acima das nuvens e que mágico! Estava frio e um vento geladinho mas valeu super a pena, foi a primeira vez que o Thomas viu o nascer do sol! O lugar é lindo, parece cenário de filme!

Seguimos nosso caminho e paramos do lado do aeroporto para ver os aviões pousarem e decolarem antes de seguir para São Lourenço. Como estávamos com o Thomas a idéia era fazer só um pedacinho da trilha até o primeiro ponto mas ele acabou dormindo e nos animamos de ir até o fim. Foram 3km de trilha feitos em 1h30. Subidas, descidas e muitos pontos maravilhosos além da trilha, a cor do mar também tirava nosso fôlego.

Aeroporto da Madeira

Leva cerca de 20 minutos até o primeiro ponto – Ponta do Buraco – e vale super a pena mesmo ir até lá caso você não tenha tempo/disposição/interesse de fazer a trilha toda. Tem também uma descidona até a Praia de São Lourenço que se não fosse continuar a trilha, adoraria ter ido.

No final da trilha tem um café Casa da Sardinha e foi lá que ficamos descansando enquanto tomávamos uma água – ou cerveja no caso do Vini hehe. Como não fomos na intenção de fazer a trilha, não levamos nem água nem nada mas super recomendo fazerem um sanduichinho, levarem água e frutas, protetor solar, boné e ir com tênis e roupa confortável – assim como em qualquer trilha.

Lá no café um rapaz veio nos oferecer para voltarmos de barco – ou fazer um passeio antes de voltar – e acabamos topando porque achamos que seria muito para o Thomas (e para nós haha) voltar mais 1h30 com o solzão rachando. Pagamos €13 para retornamos até o estacionamento aonde estava o motorhome. O barco saía da Praia da Sardinha – 5 minutos andando do café e acabamos curtindo uma prainha também antes de ir embora.

O barco passa numa gruta antes e na Praia do Carniçal – a única da ilha junto com a Praia de Seixal com areia preta vulcânica – as outras são de pedra ou de areia trazida do Marrocos. 20 minutos depois estávamos num Cais e tivemos que andar mais 20 minutos numa subidona para o estacionamento depois deles terem atrasado meia hora, ou seja, no fim não valeu muito a pena não.

Chegamos, fizemos o almoço e paramos no Miradouro da Ponta do Rosto para uma foto épica com o nosso baby. Quem nos acompanha a mais tempo já viu essa foto só minha e do Vini e agora refizemos nós três.

Já no fim de tarde, abastecemos e fomos até São Martinho na Praia Formosa para dormir. A praia é de pedra e o sol não se põe lá mas mesmo assim foi um fim de tarde bem bonito. Enquanto eu fazia o Thomas dormir no sling, o Vini fazia o jantar e arrumava as coisas pois no dia seguinte já iríamos embora. De madrugada chegou um pessoal com música alta e aí acabamos indo para a outra ponta do estacionamento.

DIA 4:
Acordamos cedo e fomos devolver o motorhome em Câmara de Lobos e o transfer nos levou de volta para o aeroporto. Acabamos não indo para a capital Funchal porque a idéia era ver natureza mesmo. Ah, e para quem não sabe, o jogador português Cristiano Ronaldo e tem um Museu em homenagem a ele na cidade. Valeu super a pena o motorhome sem sombra de dúvidas! Eu gostei muito da Ilha da Madeira e recomendo todo mundo a visitar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s