Monte Verde – MG – Brasil

Estávamos procurando um lugar na serra para relaxar e vimos que o distrito de Monte Verde – cidade de Camanducaia – no sul de Minas Gerais era uma excelente opção – isso em junho pro nosso aniversário de namoro mas a cidade ainda estava fechada então esperamos. A cidade tem opções incríveis de pousadas e chalés para quase todos os bolsos já que nessa época de inverno, um lugar legal com café da manhã para o casal não sai por menos de R$180 a diária. Nós ficamos 3 dias e 2 noites por lá e optamos por um chalé mais próximo da cidade para a primeira noite Casa Moreiras Chalé – super recomendo – e outro 18km do centro (40 min de estrada de terra) MD Luar da Montanha – perfeito para quem quer se desconectar do mundo, respirar ar puro e curtir um momento a dois.

DIA 1:

Saímos de Jacareí e 2h30 depois estávamos em Monte Verde. Fomos direto para o hotel, fizemos check in e fomos conhecer o centro – que se resume na Avenida Monte Verde e algumas ruas que a cruzam. Deixamos o carro ao lado da Fábrica de Chocolates Gressoney e lógico que aproveitamos para comprar uns chocolatinhos – achei bem gostoso e para quem gosta de alfajor e pão de mel eles tem um doce chamado Prímula que para mim é a mistura dos dois.

Monte Verde

Fizemos a trilhazinha que é bem tranquila e leva uns 15 minutinhos para o Pinheiro Velho – uma araucária de mais de 500 anos. De lá dá para seguir para o antigo aeroporto também mas deixamos pra outra hora. A avenida principal é cheia de restaurantes, shoppingzinhos e lojinhas e o meu favorito foi o Shopping Celeiro. Achei a arquitetura e decoração muito fofa e lá no fundo tem um lugar aonde os esquilinhos vão comer além de uma área de alimentação para nós, parquinho para as crianças e mini golf. Foi numa dessas lojinhas que comprei um doce de leite maravilhoso.

Pinheiro Velho

A fome bateu e escolhemos almoçar no Dona Mucama – um restaurante maravilhoso, todo aberto, na avenida principal mesmo, amei e recomendo. Pedimos uma porção de filet mignon com catupiry (R$80) que foi dos deuses – e uma caipirinha com cachaça local lógico.

Depois continuamos passeando pelo centrinho. Passamos pela Vila Germânica – infelizmente praticamente sem lojas hoje por conta da pandemia – e acabamos no Marco Zero – um coreto fofo. Ah, os bancos da cidade – e o coreto – são todos pintados a mão com a Arte Bauer – uma arte criada na Alemanha que visa dar vida a móveis antigos com pinturas delicadas geralmente de flores. Essa arte hoje é Patrimônio Cultural do Município de Camanducaia. Eu achei muito lindo! Depois tentamos subir até perto da onde começam as trilhas para as pedras porém muitas partes precisa de 4×4 e desencanamos.

Vila Germânica
Marco Zero
Arte Bauer

Voltamos para o chalé para descansar e a noite fomos comer um fondue – clássico né?! De dia estava quente até mas a noite caiu bem a temperatura para 5 graus – uma delícia, afinal estávamos na montanha para isso. Jantamos no Rancho da Picanha e o rodízio de fondue (R$50 por pessoa) estava gostoso mas acredito que tenham outros melhores na cidade, acabamos escolhendo o que estava mais em conta porque não estávamos com muita fome rs. Depois do jantar demos uma volta e fechamos um passeio de Jeep com a @trip4x4monteverde (R$200 casal) pois queríamos muito fazer alguma trilha e conhecer outras partes da cidade. Por conta da pandemia as trilhas tradicionais estão fechadas e somente a da Pedra Redonda está aberta para visitação com guia.

Fondue
E essa árvore linda?
Vila Germânica a noite
Tava 10 mas caiu pra 5 quando fomos embora

DIA 2:

Acordamos e o café da manhã foi no quarto com direito a pão de queijo quentinho – que maravilha!

Casa Moreiras Chalé

Depois fomos no centro comprar uns queijos para levar para fazer a noite. Achei interessante que as lojas fazem degustação então experimentamos várias coisas mas acabamos levando dessa loja aí da foto porque o vendedor – o de chapéu – era muito simpático – e lógico os queijos maravilhosos.

Loja de queijos e outras coisas mais

Pegamos o passeio de Jeep as 2h30 da tarde e primeira parada foi numa mansão enorme – e linda – aonde foi filmado o filme Gato de Botas. De lá seguimos para uma fábrica de chocolates – Chocolateria Monte Verde – que por acaso era na rua do nosso chalé e achei bem okay o chocolate (preferi mil vezes o da Gressoney). Depois passamos numa cachaçaria – Destilaria Monte Verde – e tinha degustação de cachaça a vontade. As direto do barril eram fortes demais, amei as de sabor e acabamos levando a de Banana – e uma cocada rs.

De lá subimos até o antigo aeroporto que hoje é só uma pista de terra e nada mais – foi desativado há cerca de 3 anos – e tem uns grafites bonitinhos. Continuamos o passeio e passamos por um hotel que parece um castelinho e outro que é dentro de uma torre de comando e avião – esse segundo amei mas parece que custa uns R$1000 a diária rs.

Passamos numa loja de queijos (honestamente não gosto de tour por ficar levando a gente em lojas) e tinham vários lugares prontos para fotografar (que também não gosto rs) mas como o passeio incluía as fotos do guia tiramos uma para não ficar chato. E então veio a melhor parte da viagem: a Pedra Redonda!

Fizemos a trilha por cerca de meia hora até a Pedra Redonda e foi lindo demais. De um lado se vê Monte Verde e do outro o Vale do Paraíba – que estava encoberto e deu um ar todo místico, achei ainda mais lindo. A trilha é considerada nível fácil e em outros lugares vi intermediário por ter algumas subidas – mas nada íngrime. Levando uma água, indo com calçado adequado e fazendo a trilha no seu tempo é tranquilo. Quando chegamos no topo, tiramos umas fotos e ficamos curtindo aquele visual do lugar praticamente vazio. Que paz, que energia! Na descida, curtimos um pôr do sol.

Vista para Monte Verde do topo da Pedra Redonda
Pôr do sol

Sobre o passeio em si, vale mais ou menos a pena pois se você tem um 4×4 ou um carro mais potente dá para fazer tudo por conta – no momento só a trilha que não. E como falei, eu geralmente não faço tours porque não gosto de nada em grupo, com muita gente, parar só para tirar foto mas no momento era a única opção para não ficar só rodando no centro de Monte Verde então valeu sim a pena nessa circunstância.

Chegamos com fome e queríamos algo rápido e prático pois iríamos para a outra pousada que ficava 18km da onde estávamos. Acabamos comendo uma pizza na Nápoles (meio sem sabor e cara R$55 pela qualidade – ou falta dela) – não recomendo. Seguimos então e foi tranquilo o trajeto, bem sinalizado e em 40 minutos estávamos no paraíso. A pousada MD Luar da Montanha é sensacional!

Acendemos a lareira, tomamos um vinho com os queijos que compramos e aproveitamos o nosso merecido descanso.

DIA 3:

Quando acordamos e abrimos as cortinas, foi inacreditável a vista para a floresta e pro riozinho – que lugar! Recomendo para todos que querem descansar e precisam de um momento para respirar, curtir a natureza e recarregar as baterias. A banheira também tinha uma vista linda – cada cantinho foi pensado perfeitamente.

MD Luar da Montanha

Fomos tomar café da manhã e depois fizemos a trilhazinha para a cachoeira – na pousada mesmo. Que delícia! Gratidão por esse momento!

Fizemos o check out e seguimos até GonçalvesMG pela estrada de terra por 1h30, só paisagem linda no caminho. Em Gonçalves, demos uma volta no centrinho, fomos no Bar do Marcelo ver umas cachaças e seguimos viagem. A cidade está fechada mas vi que tem cachoeiras maravilhosas para explorar.

Na saída (ou entrada depende da onde você vem) da cidade achamos um dos melhores restaurantes da vida: Cabana Empório e Restaurante. Pedimos uma “Porção completa para 2 pessoas” que veio salada, arroz, tutu de feijão, mandioca, quibe, batata doce, farofa, legumes, banana frita, torresmo e podia escolher carne, frango ou peixe e pedimos uma tilápia a milanesa. Tudo, absolutamente tudo, cada item estava perfeito – sequinho e cheio de sabor e o melhor de tudo, apenas R$35 para nós dois. Maravilhoso, fomos até na cozinha agradecer o pessoal por uma comida tão boa!!! Ah, e tem vista pra cidade também.

De barriga cheia e mais felizes, fizemos uma breve parada em São Bento do Sapucaí – SP para ver a Igreja Matriz, a igrejinha de mosaico e ir no Mirante do Cruzeiro – que estava fechado. Quando tudo isso passar a gente volta com calma.

Vista do lado do Mirante do Cruzeiro

Simplesmente foi perfeito cada minuto dessa viagem e super recomendo! A viagem em si não é das mais baratas mas pode ficar se você comer em restaurantes mais em conta ou cozinhar no seu chalé por exemplo e conseguir fazer o passeio por conta 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s